Evolução Tecnológica vs Emprego

Muito se tem falado sobre a constante evolução tecnológica e o receio da mesma vir a substituir o ser humano no seu posto de trabalho. Baseando a minha opinião em  alguns artigos interessantes sobre o assunto, tudo o que nos rodeia é perceptível de ser substituído pela maquina.

Neste momento, muita gente considera que isso não passa de ficção cientifica mas se fizermos um pesquisa nos sítios correctos e com algum conhecimento sobre o assunto, denotamos que essa mesma evolução já se encontra disponível no nosso dia-a-dia, bastando comparar o trabalho que era necessário fazer anteriormente em cada tarefa diária e a “facilidade” com que se faz actualmente, a isto poderá chamar-se uma “(r)evolução tecnológica”.

Baseando no apresentado acima e interligando ao assunto em causa, já conseguimos chegar a duas conclusões, a evolução e o acréscimo de tecnologia no nosso dia-a-dia, tornando-se pontos positivos, mas, quando a entidade patronal se depara com o seguinte cenário no qual, se 1 trabalhador consegue fazer o trabalho de 8, considerando que cada trabalhador ganha 1.000 €, automaticamente, posso ir buscar 7.000 € de lucro, neste caso, vamos chegar a conclusão que a evolução tecnológica já não é uma benesse no nosso dia-a-dia.

Penso que neste momento, é importante a coexistência entre a tecnologia e o ser humano, porque cada trabalhador tem uma formação especifica, ao qual não deve existir uma obrigação de acompanhar um campo que não é o seu, por isso, a conclusão que se chega é que a tecnologia e o trabalhador devem ser ‘adaptados’ e não excluídos, como acontece actualmente.